o que fui

27 06 2012

em tudo falhei, como te adorei e te quis e até nisso eu falhei. abri as portas de minha casa para te receber, foste mais que sangue do meu sangue, foste molecula de ser que se repartia por um universo de particulas microscopicas q nunca resistiriam por si so. foste uma janela numa casa fechada, teimosa por custar a abrir. sei q as tuas palavras sao de dor, pois so quem ama sofre e so quem ama magoa.

hoje fui oco mas não fui oco por querer; hoje fui oco porque deixei de te ter..

Anúncios




Music Review: Agalloch – Faustian Echoes (2012, EP)

26 06 2012

Descobrir que os Agalloch têm um novo EP a sair é das melhores novidades que uma pessoa pode receber num dia sufocante como o de hoje. Melhor ainda é descobrir os contornos do mesmo e saber que se pode ouvir por completo esse mesmo trabalho no Bandcamp da banda.

“Faustian Echoes” é uma música de 20 minutos, que na edição em vinil será repartida em duas partes, inspirada na obra de Goethe “Fausto”. É um trabalho simplesmente hipnotizante. O trabalho instrumental por parte da guitarra é das melhores coisas, na minha opinão, que Agalloch tem feito nos últimos anos. São 20 minutos de uma intensa viagem, por cenários que nos transcendem.

Apesar de se poder achar que a dimensão de uma música como esta pode ser um ponto negativo, pois algum momento será menos catchy ou bem conseguido, mas tal não acontece: nem por sombras! Numa versão mais crua que o habitual, os Agalloch presenteiam os seus fãs com mais um trabalho soberbo, desde os riffs mais agressivos até à fantástica conclusão em acústico. Poderá ser uma verdadeira travessia de um Inferno mas este vinil terá de vir parar à minha prateleira.

Descubram por vocês próprios.

J.





Music Review: Stick To Your Guns – Diamond (2012)

26 06 2012

Estes foram sem dúvida dos melhores 35 minutos gastos de 2012! Bem..a partir deste ponto acho que sabem para onde me estarei a dirigir.

Stick To Your Guns são uma banda norte-americana e tocam um poderoso Hardcore, com elementos melódicos. Diamond é o seu trabalho editado neste ano de 2012, sucedendo a The Hope Division, aclamado por muitos sites da especialidade como um dos melhores do ano.

Em relação a este disco só tenho duas palavras: simplesmente brilhante. Já li opiniões acerca de Diamond que me deixaram com dúvidas se essas pessoas realmente terão ouvido o mesmo disco que eu porque estamos na presença, e posso afirmá-lo já, de um dos melhores discos de 2012. Desde as músicas mais straight-forward, como Empty Heads, até a momentos de um quase Post-Hardcore, como DI(AM)OND, todas elas são extremamente bem conseguidas e trabalhadas. É um disco que passa num piscar de olhos mas que deixa muita saudade, do princípio ao fim, no fillers here.

Relativamente ao instrumental posso dizer que é muito cativante, passando por riffs Hardcore, alguns mais Punk, como alguns em Bringing You Down, e os Breakdowns são explosivos, ao ouvir isto no meu quarto dava por mim a esmurrar freneticamente o ar.

A voz foi das coisas que mais me agradou, sou sincero. Desde o seu lado mais clean até aos berros, tudo é feito com uma consistência impressionante. Pelo o que consegui encontrar pelas internets o vocalista, Jesse Barnett, também é o responsável pelas letras e deixem-me que vos diga que o conteúdo é riquíssimo.

Em suma, Diamond (STYG, 2012), é um album que vai rodar por aqui muitas muitas vezes, tendo ido por completo para a minha biblioteca do Itunes. É um trabalho para ser apreciado tanto a nível auditivo como a nível lírico, pois as suas letras reservam por completo o espaço para um trabalho mais introspectivo.

Image

http://www.facebook.com/STYGoc





Music Review: Acid Shark (Demo 2012)

18 06 2012

Enquanto pastava por paisagens Facebookianas, deparei-me com uma referência à Demo de Acid Shark, e sendo eu um fanático completo por tubarões, apenas por gozo, resolvi dar uma espreitadela.

Tenho que ser sincero e dizer que, em relação ao Grindcore, nem tudo me cai nos ouvidos com muito agrado, o processo é muito mais facilitado se a banda tiver inclinações para algo como Brutal Death ou algo semelhante. Muito embora os Acid Shark não sejam nada desse género o que importa a reter é que foi uma experiência muito interessante, posso até afirmar positiva e engraçada. Apostam claramente numa influência Crust Punk, a voz fez-me lembrar particularmente os nossos Lifedeceiver, e, apesar de não existir uma grande abundância de caos Grind nesta pequena Demo de 3 músicas, quando entram nesse território, nunca perdem o sentido de groove que até então o seu instrumental demonstrou, mesmo com recurso a um BlastBeat aqui ou ali.

Foi sem dúvida uma agradável surpresa, podem bem gastar os vossos 6/7 minutos nesta Demo que se encontra para download gratuito no site dos Acid Shark. 

Image

http://acidshark.co.uk

http://www.facebook.com/acidsharkuk