Moments of share (4)

28 02 2012

 

Anúncios




Tão actual..

28 02 2012

Poster turístico dos anos 50.





my mind..

28 02 2012
Mom: What’s wrong?
My mind: I used to do so well in school but I’m not anymore.
My mind: The people I call friends, aren’t my actual friends.
My mind: I’m constantly feeling alone.
My mind: I’m starting to look at myself different.
My mind: Nothing feels the same anymore.
My mind: I feel like I’m going to fail at anything I try to do.
My mind: I haven’t been eating that much and I’m hungry all the time.
My mind: I feel like no one cares about me.
My mind: I just wanna sleep all day and never wake up.
Me: Oh nothing I’m fine.




É uma receita simples..

26 02 2012

Vamos pensar um pouco na “nossa” Europa e no estado a que chegou: o cenário de caos social é iminente, embora em Portugal continuemos a desviar o olhar.

1) Não existem valores morais e sociais na Europa. Os governos começam sucessivamente a perder a sua legitimidade, trocando por miudos, não têm soberania: não mandam, são mandados. Quando instituições financeiras, de direção duvidosa, retiram a soberania de um governo eleito de modo democrático onde fica, realmente, essa Democracia?

A Democracia é uma miragem na Europa, onde os representantes são simples seguidores da vontade da Alemanha, do FMI e da Troika. De um momento para o outro deixou de se ouvir falar do “namoro” entre a França e a Alemanha. Mas porquê? É simples: a França não concordou com certos pontos e por isso foi castigada, “já não és mais meu amigo”. Mas este monopólio é tão grande que censura toda e qualquer tentativa de pensamento político, uma breve análise demonstra que os planos orçamentais de países como Portugal, Grécia, Espanha e Itália são meras réplicas de devaneios germânicos.

2) As receitas orçamentais de todos os países vão conduzi-los à falência. Em Portugal começamos já a sentir os resultados da muita austeridade que foi aplicada: a economia contrai muito acima do esperado, a receita é muito inferior ao esperado, o desemprego escala a uma velocidade quase incontrolável. Este é um cenário gravíssimo porque vivemos na esperança que um dia a austeridade funcione, mas a esperança não tem aplicabilidade num teatro em que vivemos em total dependência e somos vulneráveis a caprichos exteriores, em que somos marionetas de olhos vendados e de coração de lata. É importante começar a reter isto: Portugal muito dificilmente vai cumprir as metas impostas no memorando assinado com a Troika e mesmo que consiga, a todo o custo, alcançá-las esse custo vai levar à instauração de uma definitiva dependência estrangeira. O dinheiro que nos emprestam não serve, de forma alguma, para reanimar a economia ou promover a competitividade: serve unicamente para pagar as dívidas a quem nos verga, a quem se esquece que a moeda única não é sinónimo de vontade una e de pensamento siamês, não tendo qualquer interesse em pensar que depois de saldadas essas dívidas novas ficam por pagar.

Ora estes são pontos essenciais no pensamento sobre o estado actual da Europa, inclusivamente de um modo psicológico. Todos estes planos, estratégias, poderão levar a que pairem novamente sobre a Europa sombras de episódios de um passado que todos queremos esquecer, de um passado de tirania. Esse sim é um grande risco, que do escuro da apatia e do descontentamento começam a surgir tiranos que exaltem a identidade nacional, que se vê ameaçada pela perda de soberania, e que disso façam alavanca para a queda de governos e a instauração de regimes ditatoriais; que de um simples virar de página em relação a políticas que apenas alimentam o sistema pelo sistema, à custa de todos nós, se faça a guerra a larga escala.

São dias alarmantes que se vivem na Europa, ainda mais quando ministros alemães dizem publicamente que a Grécia deve abandonar o Euro, como se isso fosse apenas sair por uma porta e não mais voltar, como se isso não significasse uma destruição quase total de uma economia grega que já quase não existe e do seu estado de paz social que cada vez mais se vê ameaçada. É preciso um novo rumo para esta Europa, é uma receita simples, mas os ingredientes estão cada vez mais escassos e os cozinheiros cada vez mais enterrados no seu barrete.

 





Poe said it..

24 02 2012





Moments of share (3)

24 02 2012




The Baron

24 02 2012

 

 

Segundo o que li pelo facebook dedicado ao filme, terá edição em dvd em Abril. A não perder!!